Mais de 97.000 crianças testaram positivo para Covid-19 nas últimas duas semanas de julho



Alguns pais e educadores protestaram fortemente contra o retorno do ensino presencial em um momento em que o vírus ainda está fora de controle em todo o país.
Anderson Gomes - 10 de Agosto de 2020 às 10:56:28

Mais de 97.000 crianças nos EUA testaram positivo para coronavírus nas últimas duas semanas de julho, diz um novo relatório. O relatório , publicado pela Academia Americana de Pediatria e pela Children’s Hospital Association, disse que nessas duas semanas houve um aumento de 40% nos casos de crianças nos estados e cidades estudados.

A faixa etária das crianças difere por estado, com alguns definindo crianças como apenas aquelas de até 14 anos e um estado – Alabama – empurrando o limite para 24.

Os dados compilados vêm durante a temporada de volta às aulas, enquanto as autoridades de saúde estão tentando entender os efeitos do vírus nas crianças e o papel que os jovens desempenham em sua disseminação. 

Escolas lotadas na Geórgia ganharam as manchetes

Corredor lotado em escola na Georgia mudará brevemente para o aprendizado online após relatar 9 casos de Covid-19

RELACIONADAS



Algumas escolas começaram a receber multidões na volta às aulas e outras tiveram que reajustar seus planos de reabertura em resposta as infecções. Uma escola secundária da Geórgia ganhou as manchetes depois que uma foto de um corredor lotado se tornou viral, nove casos de coronavírus foram relatados, de acordo com uma carta do diretor. 

Seis desses casos eram estudantes e três eram funcionários, dizia a carta. Embora alguns líderes dos EUA – incluindo o presidente – tenham dito que o vírus não representa um grande risco para as crianças, um estudo recente sugere que crianças mais velhas podem transmitir o vírus tanto quanto adultos. 

Outro estudo disse que crianças menores de 5 anos carregam uma carga viral maior do que os adultos, levantando ainda mais questões sobre seu papel na transmissão.

Pelo menos 86 crianças morreram desde maio, de acordo com o novo relatório. Na semana passada, um menino de 7 anos sem doenças pré-existentes se tornou a vítima mais jovem do coronavírus na Geórgia. 

Na Flórida, dois adolescentes morreram no início deste mês, elevando para sete o número de mortes de menores no estado. E crianças negras e hispânicas são afetadas de forma mais severa com taxas mais altas de infecções, hospitalizações e complicações relacionadas ao coronavírus, mostra uma pesquisa publicada

Mais de 1.000 mortes diárias por Covid-19 em 5 dias

Mais de 97.000 crianças nos EUA testaram positivo para covid-19

Alguns pais e educadores protestaram fortemente contra o retorno do ensino presencial em um momento em que o vírus ainda está fora de controle em todo o país.

Os EUA superaram os cinco milhões de infecções relatadas no fim de semana e pelo menos 162.938 pessoas morreram desde o início da pandemia – mais do que em qualquer outro país do mundo.

O país registrou mais de 1.000 mortes diárias por pelo menos cinco dias consecutivos até sábado, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. Desde 21 de julho, houve apenas quatro dias durante os quais os Estados Unidos registraram menos de 1.000 mortes relacionadas a vírus.

Na Flórida, que viu um aumento impressionante de casos durante o verão, o domingo marcou o décimo terceiro dia consecutivo em que o estado relatou mais de 6.000 novos testes positivos em um único dia, de acordo com uma contagem da CNN.

Autoridades estaduais e locais vincularam o ressurgimento de casos a grandes reuniões de grupos e a mais infecções entre os jovens. O Dr. Anthony Fauci implorou aos jovens na semana passada que sigam as diretrizes, dizendo durante um webinar com a Alliance for Health Policy, “não seja o elo fraco da cadeia.”

“Essa é a mensagem que temos de passar aos jovens”, disse ele, que continuou: “Obviamente, eles não estão fazendo nada deliberada e maliciosamente, mas o que estão fazendo é inadvertidamente – eles estão propagando o surto.”

VEJA TAMBÉM



Postado por: Anderson Gomes
Professor de Física que gosta de uma boa música, games e, acima de tudo, estar com a família.