Aluna de escola pública de Maceió é medalhista na Olimpíada de Ciências

A Escola municipal Pompeu Sarmento irá realizar uma cerimônia de premiação em breve para entrega da medalha de Alycia.

Alycia Lima tem 16 anos e é aluda da Escola Municipal Pompeu Sarmento, em Maceió. Ela se tornou mais um exemplo ao conquistar a medalha de bronze na Olímpiada Nacional de Ciências (ONC) no início do ano.

A prova, que foi realizada online em janeiro, era composta por questões de Matemática, Física, Biologia e Astronomia. Alycia ficou nas primeiras posições em uma disputa com alunos de todo o Brasil.

A estudante já é veterana em conquistas de olimpíadas, sempre representando Alagoas e a rede municipal de ensino de Maceió.

Ela diz que a conquista é fruto de uma longa jornada de estudos, e a vontade de desvendar os assuntos postos em prova é a responsável pela busca do saber.

Clique aqui para receber mais notícias como esta em seu dispositivo

“No começo eu pensei que não conseguiria me destacar na olimpíada, mas sinto vontade de tentar mais e ver se os assuntos descomplicam. Minha rotina era voltada a estudar algum assunto por um certo tempo até sentir que já tinha aprendido, então, baixei alguns apps da ONC, que tinham assuntos de provas passadas, e tentei pesquisar muito sobre os possíveis assuntos que cairiam”. — Disse Alycia.

Alycia e seu professor de matemática Geraldo Sarmento
Alycia e seu professor de matemática, Geraldo Sarmento.

Conquistas anteriores e seu reconhecimento

Em sua curta jornada a estudante já coleciona muitos prêmios, entre eles, uma medalha de bronze na Olimpíada de Matemática Canguru, uma de bronze na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e outra de bronze na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA).

Elder Maia, secretário municipal de Educação, declarou que Alycia é motivo de orgulho para a educação pública de Maceió.

Ainda, segundo o secretário, as olimpíadas influenciam positivamente para o empenho e dedicação dos estudantes da Rede.

É objeto de muito orgulho quando isso acontece. Nós temos vários alunos que obtêm essas conquistas, de olimpíadas de física, química, matemática e outras disciplinas. São alunos que superam muitos obstáculos até conseguir esses postos de reconhecimento e destaque, por isso merecem prestígio”, afirma.

Sabemos que as políticas públicas facilitam a mudança na vida das famílias e isso mobiliza, faz com que cada vez mais os alunos dediquem tempo de estudo para obter esse reconhecimento. É motivo de orgulho para nós da Educação”.

Declaração da mãe

A mãe de Alycia, Mychelle Charlles, se demonstra orgulhosa dos feitos da filha e disse que a mesma vem se empenhando bastante nas aulas online.

“Alycia se preparou para a olímpiada em casa e quando tinha tarefa ou prova, o professor me avisava e eu a lembrava dos horários dos exames. Me sinto orgulhosa em saber que partiu dela a iniciativa de estudos, ela sempre foi muito inteligente e curiosa. Agradeço pelo apoio do Professor Geraldo Ferreira que sempre a colocou nessas olimpíadas e que está sempre em contato comigo para incentivá-la a trilhar novos caminhos e desafios”.

Professor Geraldo

Professor Geraldo Ferreira
Professor Geraldo Ferreira

O seu professor de matemática, Geraldo Ferreira, foi o responsável por incluir Alycia na Olímpiada Nacional de Ciências.

Segundo Geraldo, as Olimpíadas de Ciências são uma ferramenta que auxilia o aluno a se especializar nos temas abordados na sala de aula.

“A olimpíada envolve várias disciplinas, como física, biologia, química e astronomia. Muitos alunos gostam de ser desafiados, e é isso que os fazem alcançar resultados altíssimos. É um benefício muito grande das olimpíadas tornar o estudante um pesquisador. Não é só a prova, é preparação, por isso invisto bastante nas competições” — explicou Geraldo.

Sobre a ONC

A prova da Olimpíada Nacional de Ciências é realizada anualmente pela Sociedade Brasileira De Física (SBF), Associação Brasileira De Quimica (SBG), o instituto Butantan, Sociedade Astronômica Brasileira e a universidade Estadual De Campinas (Unicamp).

Este ano a prova ocorreu em janeiro de forma virtual e os alunos tiveram duas horas para responder as questões.

De Ascom/Semed.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua navegação. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade e nossos termos de uso Aceitar Ler Política